1 de abr de 2010

1ª dia - joelhos aflitos

1ª de Abril de 2010, acordo as 11:45 ainda como se estivesse entorpecido por algum alucinogéno muito louco, fico deitado olhando pro nada como de costume. O Fato de acordar tarde se deve porque eu virei a madruga na net, é eu mereço extravasar as vezes. Após o momento estranho, me levanto e vou lavar o rosto, pensando qual seria o almoço de hoje e em coisas... err... digamos "quente"(ah qualé! sou homem geralmente penso nisso xD) e em seguida vou para sala onde se encontra minha mãe e a empregada conversando coisas que realmente não me lembro, ai como é de rotina, vou a janela, fazer o quê? olhar pro nada novamente. Me sinto meio estranho em relação a isso mas, quem não tem suas manias?

Conversando um pouco com ambas eu vou para o local onde passo maior parte do tempo, no pc. Lá faço o devido padrão: ligar, conectar a Internet, skype, msn, orkut, blog e música. Ouvindo o novo cd do Avantasia, que por sinal tá fodastico, um amigo freneticamente fala comigo: - Vamos andar de skate hoje, estava afim de andar na beira mar. Eu respondo: Vamos sim =D, porque não? alias, já estava a quase 1mês sem pegar no carrinho ;\, faculdade as vezes podem ser cruéis com você, principalmente quando você se esforça e ainda toma "bomba" mas, isso não vem ao caso. Após essa rápida abordagem, ele me pede para chamar dois amigos, que eu respondi que o faria.

Passando algumas horas, o mesmo amigo pergunta se eu havia feito o convite para os outros, eu claramente respondi que não e percebi que ele estava ansioso para chegar o tal momento, até eu estava.

Faltando 15 minutos para as 3 horas, comuniquei ao meus outros amigos sobre o evento. Um furou por motivos trabalhistas, o outro na hora confirmou sua presença, então foi só questão de tempo para nos encontrar e irmos ao nosso destino.

A hora chegou, meu amigo veio até minha casa, e eu onde estava? no pc jogando conversa fora. Após ouvir uma ultima musica do Avantasia, onde Tobias Sammet fazia dueto com André Mattos, fui para o banheiro e tomei meu banho para em seguida poder partir. Me arrumando e pegando meu skate, o interfone toca e o amigo ansioso diz que iremos de carro, me senti aliviado por não precisar andar e suar rápido( é sou um pouco preguiçoso).

A mãe dele, disse que nos levaria até o local mais próximo que pudesse, já que ela mesma disse que seu Rabino( não sei como escreve isso) falou que quando se faz uma coisa, deve-se fazer bem feito, e foi o que ela fez. OBS: Ela é islâmica :], mas o meu amigo não.

Chegando lá, começamos a andar, e eu me sentindo como uma criança com um doce na mão só pela falta que aquilo me fazia ao som de uma boa musica claro. Mandando algumas manobras iniciais, todo suado, e com um pique jamais presenciado pela minha pessoa, comecei a me deslocar cada vez mais rápido em direção ao caminho dos tijolos e concretos. Passando por inúmeras pessoas, de sua maioria mulheres fazendo caminhada, algumas muito bonitas e outras nem tanto, eu percebo que estou deixando meus companheiros para traz, parei e esperei.

Um deles me pergunta: - Para onde estamos indo? Então eu respondo: Iremos a uma pista que fica do outro lado. Depois disso seguimos em frente.

Percebendo que estava muito cheia a calçada, como sou impaciente, fui para pista, só que meus companheiros de rodinhas não fizeram o mesmo e mais uma vez ficaram para traz, esperei mais uma vez. Esperando por um tempo relativamente mediano, nos encontramos do outro lado da calçada, que era mais extensa e permitia um melhor deslocamento, fomos em direção a tal pista, que por sorte do destino, encontramos outros irmãos de asfalto. Eles nos contaram que a pista não estava muito boa e que eles iriam para uma área que possuía escadarias, foi para lá que fomos. Chegando lá eles começaram com as manobras, e eu me pus a observar. 180 ollie, mandado de uma escadaria de 6 degraus, me parecia muito interessante e tentei uma vez fazer o mesmo, mas apenas com um simples ollie, resultado, não consegui e quase me machuquei feio, só que não desisti. Meus amigos ficaram fazendo suas manobras de rotina, enquanto continuava a observar os outros dois caras, eles pareciam andar mais tempo que eu, e até um deles me elogiou pelo fato de o meu skate ser bom e de peças consideráveis; após um curto dialogo, nos pegamos andando novamente. Eu teimoso como sou, tentei pular outras vezes, mas senti medo por acha que podia cair de cara no chão, fui então fazer minhas manobras já conhecidas.

Andando por um longo tempo, os dois cara foram embora, nos comprimentamos e depois foram embora, e nos continuamos por ali mesmo, andando como loucos. Compramos muitas águas durante o tempo que ficamos lá, e quando percebi ja era noite, foi então que comecei a descansar e observar a multidão e meus companheiros, claro. Depois do merecido descanso, voltei a batalha, mas estava caindo muito, parecia que meu desempenho não estava tão bom, foi então que, por total acaso, eu tento mandar um flip, onde foi extremamente bem sucedido, eu pulei de excitação e dei um grito: WOOOOOOOOOWWW! CONSEGUI PORRA! AUHHAUHUAHH. Tentei outras vezes e não consegui como esse, alguns saiam mas não conseguia completar, outros nem saiam. Com essa dose de motivação tentei novamente pular a escadaria, mas de uma área menor, apenas de 3 degraus. Na primeira tentativa, esborrachei meus joelhos no chão, onde logo em seguida veio uma dor quase insuportável; me recuperei e voltei a tentar. Varias tentativas, e vários erros tomados de mais quedas, e cada vez mais meus joelhos e canelas se machucavam, a dor aumentava, só que eu estava dopado pela adrenalina, foi em um ultimo ato de desespero eu consigo o aclamado salto. A sensação de está em pleno ar e quase que indiscritivel, mesclada com a sensação de manobra bem sucedida, com a visualização dos curiosos, foi muito bom. Empolgado tentei mais uma vez, só que o pior aconteceu, torci o pé, agora com uma dor realmente insuportavel, me aproximei a um local em que eu pudesse sentar e lamentar pela agonia, foram 15 minutos intensos até a ultima gota, passando esse estado, voltei a tentar, e não errei mais.

Andamos tanto que resolvemos voltar para casa, que foi uma tarefa de teste de resistência para a espera de um ónibus. Chegando em casa, o sangue esfriou e a dor pela perna inteira, principalmente pela parte torcida voltou, quando tirei a calça, meus joelhos, canelas e tornozelos estavam acabados, mas estava com um sorriso no rosto, porque vida de skatetista é assim, você tem a dor, mas a gratificação de se divertir, acertar e está com os amigos transcendem tudo isso.

Esse foi o primeiro dia...

Resto do Post

Um comentário:

Rachel disse...

Uau.. SHAUSHA, EMERSON EU QUERO VIRAR SKATISTA... mas vivo levando queda :/ alguma dica?

AddThis