23 de ago de 2009

Um coração que não sabe chorar.. Tempestades e tempestades


Sabe aquela sensação que tudo faz você se sentir só, mesmo muitas pessoas estando ao seu redor, está triste mesmo todos estando felizes, se sentir inseguro quando todos estão seguros.... no pior das hipótezes, não se sentir presente ou deslocado da realidade por achar que você é muito estranho ou está muito pra baixo para pode ser colocar no seu devido lugar? momentos assim são tão comuns e tão importantes que ironicamente são banalizados.

Andar por ai achando um lugar de conforto naqueles que não entendem oque você sente, senti que aquele refugio é apenas uma porta fechada para você, e o melhor a fazer é andar na chuva de duvidas e baixa alto estima.

Sua couraça aparenta está bem, mas o seu interior está esfarelado como pó de areia fina, clamando para que alguém ou algo te ajude a se recompor. Difíceis momentos, difícil clamor que não pode ser ouvido por ouvidos pouco preparados. E a dor continua, a caminhada continua... Ruas estreitas de oportunidades perdidas, por não sabe controlar a maquina que á em você, sua essência desfalece de atenção... Eu pareço forte, mas sou fraco.

Meu coração clama por lágrimas que insistem em não virem, as batalhas me ensinaram a ser forte e a sempre levantar, mas estou cansado de lutar, minha alma procura paz.

Coração teimoso que não consegue aprender a chorar, no momento que mais se necessita, a razão não obedece o sentimento. E oque fazer? bem, o negocio é continuar andando nessa chuva que teima em me seguir a cada esquina, talves na próxima curva o sol abra pra mim e eu possa mais uma vez reorganizar e moldar meu boneco de areia.

Resto do Post

14 de ago de 2009

Musicas instrumentais nas quais eu gosto

Bem vou postar algumas musicas instrumentais, que particulamente são inesqueciveis. E ainda dizem que heavy metal e so barulho :B












Resto do Post

4 de ago de 2009

Tempestades de Incertezas, o mar que me faz morrer.

Durante anos, a incerteza e a curiosidade por lugares não explorados foram o motor das grandes descobertas humanas. Ao mesmo tempo que as descobertas estavam acontecendo, algo contrario ao pensamento de progresso estava ocorrendo, aquilo que motivava os homens agora o está matando... e matando aos poucos...

A cada esquina, a cada estalo de pensamento, andando em direção a uma escuridão sem fim, onde o único lugar onde se pode enxergar é a ponta de uma vela, que por cima está em risco de se extinguir. Viver é um desafio, mas está se tornando um fardo, um fardo na visão filosófica, cientifica e existencial. Hoje sabe-se ou pelo menos se aceita que não existe um conhecimento totalmente verdadeiro ( não irei entra na questão do conceito de verdade), aquilo que foi hoje talves não é mais, até a matemática não é exatamente precisa quando se tratando de enormes distancias, e identificar coisas no campo mais pequenino do microcosmo.

Andar apenas com a garantia de uma vela, que apenas ilumina seus pés, e lhe mostra que está cercado por um mar de inginorância, faz o ser humano chorar, chorar de angustia e admitir suas próprias limitações, poderia até ser uma das feridas narcisicas mas quem sou eu para definir tal coisa. A realidade dos fatos é bem impirico: vivemos com medo, inseguros e ansiosos, escondemos nosso fardo em momentos de alegria, que certamente não quer dizer felicidade. Não sabemos nada da morte, apenas ela sabe tudo de nós, onde em toda empreitada da humanidade para engana la ela sempre está um passo a frente. A ciência veio para clarear, e a única coisa que está ficando clara e a nossa própria inginorância em definir fatos, será que a universalidade ou algo superior seja apenas uma tentativa desesperada do homem de não se matar em sua maior dádiva? O pensamento é o nosso maior fardo, onde cada vez que penetro nesse mar que não conheço, mais me afogo nele, e não consiguo deixar de me aprofundar cada vez mais.

Resto do Post

AddThis